Da ascensão à queda: a montanha russa de Daniel Ricciardo em Baku

Atualizado: Jun 7

Com uma sexta-feira de esperança, chegando a liderar a sessão em um determinado momento, o australiano se deparou com um sábado oposto: a classificação acabou na curva três do circuito de rua



(Daniel Ricciardo no circuito de Baku/McLaren F1)


A sexta-feira começou com o pé direito para a McLaren. O primeiro dia do final de semana geralmente não é o melhor para a equipe papaia, mas isso não aconteceu nas ruas do Azerbaijão. Ao invés de fazerem dois treinos discretos, a primeira sessão foi o auge do final de semana para Daniel Ricciardo. Com um quinto lugar no final, o australiano chegou a liderar por alguns minutos com o tempo de 1:42.732. A segunda sessão terminou com Daniel em décimo terceiro com 1:43.298.

+ Mais notícias sobre Daniel Ricciardo


O sábado certamente começou dando esperança aos fãs. Logo no Q1, o piloto numero três avançou com 1:42:303. Mesmo fechando a primeira tentativa em décimo, Ricciardo ainda tinha mais uma oportunidade de melhorar o tempo.

O que não aconteceu. O australiano não conseguiu parar o carro e encontrou o muro da curva 3, ironicamente, ocasionando em uma bandeira vermelha encerrando a classificação mais cedo e ficando em P13.


Após a atividade em pista, Daniel falou um pouco sobre o que causou a batida:


— Eu sabia que tinha algum tempo para encontrar e aí tentei ir com tudo nos freios, acho que no ponto de freagem tem uma margem e tentei usar ela, mas, assim que fiz a curva, começou a travar. — Analiso.


A expectativa para o domingo é certamente uma corrida de recuperação para o australiano. A largada acontece amanhã às 9:00 (horário de Brasília).


Siga o Ricciardo Brazil nas redes sociais: Twitter e Instagram